background

9 Passos para um 
projeto de sucesso com RFID

14 de Setembro de 2017 em Artigos


RFID (Radio-Frequency IDentification) é um método de identificação automática através de sinais de rádio, que recupera e armazena dados remotamente utilizando dispositivos chamados de Tags RFID.

Um Tag RFID é um pequeno objeto, que pode ser colocado em uma pessoa, animal, produto ou documento. Ele contém microchips de silício e um sistema de antena que lhe permite responder aos sinais de rádio enviados por uma base transmissora.

O microchip RFID armazena as informações do item no formato EPC (Electronic Product Code), um número que permite identificá-lo de forma exclusiva. As leitoras podem ler os identificadores EPC a distância, sem necessidade de contato ou campo visual.

Sistemas RFID são considerados os sucessores dos sistemas de código de barras porque permitem a produtores e fornecedores rastrear itens em lote reduzindo o tempo e os custos operacionais, entre outras vantagens.

Como Funciona?

Cada aplicação RFID é composta basicamente por Tags ou etiquetas, leitoras e sistemas informatizados com Middleware. Por meio de suas antenas, etiquetas e leitoras se comunicam pelos sinais de radiofrequência. O Middleware é responsável por adquirir os dados de diferentes leitoras ou sensores, filtrar as informações, monitorar a situação das leitoras, gerenciar a infraestrutura e o fluxo de dados específicos de RFID e realizar a integração com outros sistemas, como ERP, WMS, entre outros.

Image
Diagrama do funcionamento da tag RFID.

Aplicações

As aplicações da tecnologia RFID são inúmeras. Todas aquelas que atualmente utilizam código de barras podem ser substituídas por RFID. No Brasil, o sistema já é utilizado para pagamento de pedágios e em algumas atividades de cadeias de suprimentos e logística. Controle de documentos, controle de acesso, segurança e patrimônio, linhas de montagens industriais, identificação animal e rastreabilidade na origem de produtos também já podem empregar essa tecnologia.

1. Visão Executiva do Projeto

O primeiro passo ao se decidir para a implementação de um projeto RFID é avaliar o seu negócio contra as expectativas que um novo sistema de RFID possa oferecer, essa análise deve estar fundamentada com a real capacidade de fornecimento do projeto e o benefício imediato no processo, fazendo com que a escolha do RFID seja mais eficaz do que outras tecnologias. Faça um levantamento de impactos e tendências a serem ocorridos na empresa e certifique-se que estão alinhadas com as expectativas de fornecimento do RFID.

2. Análise dos Processos

Desenhe o processo chave, bem como o lugar do RFID dentro desse projeto, esse é o elemento mais importante de uma implementação bem sucedida. A implementação do RFID é um projeto de melhoria de processos, por tanto é fundamental analisar as práticas de negócios atuais e determinar quais aspectos podem ser melhorados com a implementação de uma solução RFID. Comece com a coleta de informação de gestão de negócios entre todas as áreas envolvidas, membros de TI, pessoal de manutenção e usuários finais. Esboce os fluxos de processos e as especificidades requeridas no processo, identifique as excepcionalidades envoltas no sistema e indique se as mesmas devem ou não serem também tratadas no processo com RFID.

3. Documento de requisitos

A execução de um projeto mesmo quando de pequena escala requer que seus processos sejam documentados, é fundamental que seja redigido esse documento contendo todas as especificações requeridas pela empresa para a implantação do projeto. Considerações significativas incluem software, hardware, as etiquetas RFID, fatores ambientais, preocupações regulatórias, a confiabilidade, segurança, rede, produção e manutenção. Além disso, as responsabilidades funcionais devem ser delimitadas e assinadas no presente documento. Embora os requisitos possam mudar ou crescer durante a execução do projeto, este documento serve como instrumento para quantificar os custos envolvidos com a gestão.

4. Levantamento do Local

Realizar um levantamento do local de instalação planejado, esta pesquisa deve incluir tanto uma análise do espectro de RF para procurar qualquer interferência ou sinais concorrentes na área, bem como um exame físico para ajudar a planejar a localização e instalação de todos os leitores e antenas. Para esse quesito faz-se o uso do Site Survey para quantificar e identificar a quantidade de equipamentos (leitores, antenas, tags e aplicativos), qualificar a arquitetura de rede do local para atestar a qualidade de sinal e potência de cobertura do sistema e verificar a quantidade e conteúdo de dados necessários na etiqueta e onde e como aplica-las. O layout físico da área de instalação deve ser documentado e anotado em um relatório para identificar os locais em que serão implementados os pontos de leitura. Todas as partes interessadas para o planejamento e execução do projeto devem estar envolvidas.

5. Combinação de Tecnologias

Considerar o uso de uma tecnologia RFID híbrida, que envolve o emprego de uma combinação de tecnologias para criar uma única solução. Utilizar etiquetas impressas com códigos de barras e leitura visual podem servir como um backup no caso de o leitor de RFID ou chip falhar, mas também pode ser utilizado em algumas partes do processo onde não se aplica o uso de um leitor RFID. Para uma parte do processo em que algum tipo de interação humana deve ser utilizada, ou quando é necessário localizar e identificar um único item entre muitos é possível utilizar um coletor de dados RFID manual para ler uma tag RFID assim como faria se fosse um código de barras convencional.

6. Tags

A escolha das Tags RFID entre centenas de diferentes tipos de configurações disponíveis no mercado está relacionada com o tipo de aplicação, quantidade de dados a serem inseridos na etiqueta, condições do ambiente de trabalho, formato de fixação no produto, modelo de leitura (leitor fixo, portal, manual e etc) e particularidades presente no projeto. A qualidade de receptibilidade é um dos fatores importantes para se decidir qual o modelo de tag se deve aplicar, pois é preciso garantir uma performance constante em todas as leituras apontadas.

7. Dados Onboard

Uma das principais vantagens do RFID é a sua capacidade para armazenar uma grande variedade de dados na própria tag, tornando a informação on-line disponível sempre que a tag for localizada. É possível em aplicações que utilizam tags UHF EPC GEN 2 que informações adicionais sejam inseridas ao longo do processo, possibilitando que o código de identificação serial único do produto “ID” seja gerado no final do curso do processo e referenciado em um banco de dados com as informações coletadas em tempo real de cada etapa. Isso é possível pois a tag oferece suporte a um número virtualmente ilimitado de campos de informações que podem ser armazenadas e acessadas sobre essa tag, sendo assim limitada apenas as próprias limitações da base de dados.

8. Cabos

O Cabeamento para o projeto de RFID se faz necessário para um bom resultado da instalação, sendo considerado uns dos fatores importantes de qualquer instalação de RFID por afetar diretamente no desempenho do sistema. O sistema RFID pode utilizar uma combinação de cabos de dados Ethernet, cabos de alimentação e cabos coaxiais para ligação de um leitor fixo e para o seu par de antenas. Em frequências UHF, as perdas de RF podem afetar o desempenho, mesmo quando se utiliza cabos de alta qualidade e de baixa perda. Observe que cada ponto de conexão gera perdas e comprimentos de cabo superiores a 20 pés pode reduzir significativamente os níveis de sinal. Quanto menor o comprimento do cabo RF, melhor desempenho.

9. Integração do Sistema

A integração do sistema RFID com o software de gestão e banco de dados do cliente é a operação que mais envolve horas e demanda sob o projeto. O levantamento de dados bem como a especificação da interface a ser desenvolvida para a conversação entre os sistemas ERP ou WMS deve especificada minuciosamente, pois toda a comunicação do sistema se dará de acordo com este levantamento do processo. A integração entre o sistema existente e o sistema RFID se faz através de um Middleware RFID que permite integrar aos sistemas de gestão os sistemas de captura automática de dados RFID (Leitores, Sensores, Atuadores e Sinalizadores) em tempo real e on-line. A TI ou CPD da empresa deve estar envolvida diretamente no levantamento e especificação desse quesito.

Prontos para começar?

Esperamos que essa explanação resumida sobre os 9 Passos para implementar um projeto de sucesso com o RFID possa ter esclarecido de forma sucinta o correto dimensionamento de um sistema RFID, a Logstore dispõem de diversas soluções como essa aplicadas a logística. Venha esclarecer com a gente eventuais dúvidas que possam surgir!

Leia também...

Image
06 Abril 2018
Jornal Valor Econômico e Revista PEGN elegem a Logstore uma das 100 empresas...
Ler Mais
Image
13 Março 2018
Logstore presente na Maior feira de logística do MUNDO - a LOGIMAT onde...
Ler Mais
Image
22 Novembro 2017
Revista Mundo Logística - Tecnologia e produtividade para Centros de Distribuição.
Ler Mais

Inscreva-se em nossa Newsletter